Produtos reciclados movimentam o mercado

Os produtos reciclados adquiriram qualidade e valor nas últimas décadas. Há investimentos dos produtores no desenvolvimento de embalagens que demandem menos insumos e que possam ser reciclados. Com a agenda de sustentabilidade das empresas e da economia verde, as empresas utilizam a matéria prima reciclada como passo estratégico de ganhos ambientais, econômicos, sociais, além de reputação no mercado. O espectro de aplicações para insumos de origem reciclada é maior a cada dia, vai muito além de embalagens de alimentos, e produtos da linha branca. O processo se desenvolve na medida em que as indústrias assumem responsabilidades, reportam compromissos e buscam alternativas para o resíduo gerado após o consumo de seus produtos.

O Brasil é líder mundial de reciclagem de latas de alumínio, o preço da sucata, assim como o valor da commodity no mercado internacional são fatores que possibilitam esse resultado. Impulsionada pelo consumo de fibras sintéticas, pelo setor têxtil, além de outros diversos setores de aplicações, a reciclagem de garrafas PET também é crescente. Na última década, a recuperação do material aumentou de 32,9% para 57,1%, rendendo um mercado anual de R$ 1 bilhão. O número de indústrias recicladoras com mais de cinco anos de experiência saltou de 32 para 93, no período entre 2004 e 2012. Esse crescimento poderia ser ainda maior, pois há retração da demanda pelo material, devido à baixa coleta efetuada pela coleta seletiva.

Com o avanço da logística reversa, o crescimento da oferta pode reduzir o preço dos materiais recicláveis.
O novo cenário da legislação de resíduos deve considerar medidas para garantir o equilíbrio do mercado. Há ainda a previsão de políticas para que os valores não desestimulem a triagem e venda pelas cooperativas, bem como o desenvolvimento de novos usos, e exportação. O aumento da reciclagem depende de incentivos fiscais do governo, como previsto na PNRS. Um estudo conduzido pela LCA, indica que os benefícios teriam potencial de aumentar em até 31,5% a renda gerada pela coleta, triagem e venda de materiais recicláveis.