Os desafios da coleta seletiva no Brasil

Entre os principais desafios para total inserção da coleta seletiva nos municípios encontra-se a necessidade da redução de custos para que o modelo se torne viável e dependa menos de subsídios. Até 2012, o modelo de coleta seletiva apresentava um custo 4,5 vezes superior à coleta convencional de resíduos. Uma das soluções para a diminuição dos custos é a estruturação de consórcios municipais para administração dos resíduos urbanos, capaz de tornar viável a escala, os custos e investimentos. Assim como todo o contexto de logística reversa, a gestão dos resíduos urbanos deve adequar-se às características de cada municipalidade, e a decisão sobre o modelo mais adequado deve levar em conta a composição do lixo produzido, e separado pela população. Quase metade do montante coletado é de papel e papelão, totalizando 45,9%, seguido de 15,6% de plástico. Com isso, é necessário que o plano municipal mantenha os preços da sucata atrativos ao mercado.

A escala na oferta de materiais depende da coleta seletiva nos grandes centros urbanos, e para que essa oferta seja crescente, é necessário também que o modelo evolua, possibilitando reflexos efetivos na cadeia produtiva da reciclagem do Brasil. Atualmente os grandes centros detém maior concentração de consumo de embalagens, e determinam as tendências e novos modelos de gestão para as demais regiões. A falta de áreas urbanas disponíveis para construção de novos galpões de triagem e armazenamento é um dos argumentos da administração pública. As PEVs e os contêineres existentes não são capazes de suprir a demanda. Nesse mercado a ser explorado para o alcance de um patamar satisfatório na gestão dos resíduos, as soluções passam por decisões políticas e novos modelos de gestão capazes de gerar oportunidades de negócios.

Coleta Seletiva demanda soluções criativas

A solução necessária para a resolução dessa problemática não se restringe apenas a encontrar meios econômica e tecnicamente viáveis para a coleta de embalagens. Com a expansão do mercado diante do maior número de municípios que cumprem a lei e aumentam a coleta seletiva, é necessário consolidar o parque industrial de reciclagem possibilitando que a maior escala de oferta seja compatível com a demanda por sucata. É preciso que o esforço se concentre na busca em melhorar a gestão, e qualificação de soluções viáveis de maneira inteligente e criativa.